Mega crise financeira poderá atingir a Europa em pouco tempo! É preocupante!

publicidade

Pode ser este o início de uma mega crise financeira de carácter sistémico que abalará a Europa!

Os problemas que têm sido associados ao Deutsche Bank podem ser o topo do icebergue de uma mega crise financeira em formação, de caráter sistémico.

A instituição financeira alemã tem estado muito em foco nos últimos tempos, pelo seu envolvimento em vários casos. Porém, para este docente do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), especialista em moeda, o Deutsche Bank, o maior banco alemão, “é essencialmente um problema do sistema” financeiro, avisou o economista Jorge Landeiro Vaz.

deutsche-bank

Aqueles casos vão do alegado “tratamento de favor” dado pelo Banco Central Europeu nos testes de pressão (“stress tests”), como publicado recentemente pelo “Financial Times”, à classificação pelo Fundo Monetário Internacional do Deutsche Bank como o banco global de maior risco sistémico, portanto com maior potencial de colapso.

Pelo meio, estão vários problemas com a justiça, desde a intenção recente das autoridades dos EUA de o multar em 14 mil milhões de dólares (11,3 mil milhões de euros) por envolvimento no designado “subprime” (obrigações hipotecárias de má qualidade), que provocou a crise financeira de 2008, ao escândalo da manipulação da taxa Libor (multa de 2,5 mil milhões de dólares em 2015), passando pelos mais recentes casos da lavagem de dinheiro na Federação Russa, em que se avança o montante de 10 mil milhões de dólares.

deutsche-bank_1

Sistema financeiro é de especulação total e tem de ser substítuido

Landeiro Vaz, que dirigiu o Instituto para o Desenvolvimento e Estudos Económicos, Financeiros e Empresariais (IDEFE) do ISEG, considerou que se está perante “um conjunto de factos que tem de fazer pensar” e apontou que este envolvimento recorrente do banco “em casos de litigância, de abusos, de manipulação de mercado, todo o tipo de operações de transferência de capitais, envolvendo lavagem de dinheiro, tinha que ter impacto”. Tanto no próprio Deutsche Bank, que mudou o presidente em 2015, como no sistema financeiro.

Assim, a queda acionista em 2016 chegou aos 50% e em 2015 apresentou pela primeira vez prejuízos desde 2008, no valor de sete mil milhões de euros.

Mas Landeiro Vaz chamou a atenção em especial para a carteira de derivados do Deutsche, que “é a maior de todas as instituições financeiras, acima mesmo do JPMorgan”.

O problema está em que “essa carteira de derivados, cuja última avaliação é de 42 biliões (milhão de milhões) de euros tem derivados que são valorizados por três técnicas diferentes: valor de mercado, classificação de obrigações hipotecárias por critérios internos da instituição e derivados de créditos e fundos ‘”swaps”, carteira importante na carteira total, que não tem qualquer forma de ser avaliada. O seu valor é um mistério”, disse.

Estes problemas do Deutsche vão a par com declarações do seu economista-chefe, que disse haver necessidade de um resgate (bail-out) de emergência de 150 mil milhões de euros para a banca europeia, mas esta intenção é contrariada pela chanceler alemã e pela preferência dada agora na União Europeia ao “bail-in”, em que são os acionistas que devem perder em primeiro lugar, não os contribuintes, e salvaguardando sempre que possível os depositantes.

Para agravar o cenário, Landeiro Vaz disse que os problemas excedem os do Deutsche Bank, desde logo na Alemanha – “o Commerzbank vendeu a sua sede, o maior edifício de Frankfurt, à Samsung” -, mas também, de forma simbólica, a própria Alemanha.

“Deve-se frisar que os bancos italianos têm uma situação muito complicada em termos de liquidez e capital”, em que “os números mais baixos que existem de crédito malparado são superiores a 360 mil milhões de euros”, disse, mas acentuando que os problemas se estendem a outros bancos na Europa, como suíços ou britânicos.

“Tudo isto nos leva a perguntar se não estamos na iminência de uma rutura financeira na escala da de 2008”, rematou Landeiro Vaz, lembrando que o potencial de crise sistémica é superior ao ocorrido em 2008, uma vez que o Deutsche Bank tem uma dimensão que é 3,5 a do Lehman.

O economista está a preparar uma conferência sobre a moeda no século XXI, que vai decorrer no ISEG, em 7 de novembro, que terá como moderadores, designadamente, João Ferreira do Amaral e António Mendonça.

Fonte: Jornal de Notícias

 

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *